domingo, 29 de novembro de 2015

Saiu o ELF 5!

A capa do ELF 5 por Pato Vargas



Preparem seus bolsos: enfim, saiu o ELF 5, primeira edição do gibi com o novo nome. Demorou menos que o Chinese Democracy e vale muito mais a pena. A revista vem ainda mais "gorda" do que as anteriores, com 52 páginas de quadrinhos independentes sobre temas variados, com capa colorida e miolo em preto, branco e cinza.

Desta vez, além dos autores tradicionais (Abc, Pato Vargas, Rodrigo Nemo e Tito Camello), o gibi conta com a participação especial de Clayton In Loco, quadrinhista que concorreu ao último prêmio HQ Mix como roteirista revelação por sua série Hurulla.





Rodízio na capa do ELF entre os editores do gibi


Seguindo o rodízio entre os editores do ELF, agora é Pato Vargas que ilustra a capa do gibi, com desenho do nosso mascote "caveirinha" que faz alusão a algumas das histórias contidas na edição (se você conseguir fazer a ligação entre os elementos deixe um comentário aí abaixo).

Nesta edição você vai ler:

- Lei de Murphy, por Tito Camello: uma missão dos mergulhadores de combate da Marinha cheia de imprevistos onde nem tudo é o que parece;

- Angústia - a quem confiar minha tristeza?: adaptação livre de Abc do conto homônimo do escritor russo Tchekov;

Uma palinha do miolo: páginas de Abc e Nemo
- A tribo, por Rodrigo Nemo: dupla de canoístas em expedição pelo Rio Amazonas faz descoberta que pode alterar o rumo de suas vidas;

- História sem nome de Clayton InLoco que acompanha o dia de um morador de rua e mostra que tudo é uma questão de ponto de vista;

- Tiras de Pato Vargas e Abc.


Você pode encomendar o ELF 5 via facebook ou e-mail (informações aqui) ou aproveitar para comprar direto com Abc ou Tito Camello, que estarão esta semana em São Paulo na ComicCon Experience (mais informações em breve aqui mesmo no blog, fiquem ligados).

2 comentários:

Ozymandias Realista disse...

Esperei quase 1 ano por isso, já compartilhei para todos os meus círculos no G+. Vou entrar em contato o quanto antes, meu sonho era que tivesse reimpresso a #01, para eu comprar ambas agora.

El Fanzine disse...

Valeu, Ozymandias. O problema do número 1 é que era bem fanzinão, mesmo, de xerox. E a gente ainda estava muito verde. Mas vamos pensar em algum resgate aí dessas histórias, quem sabe.